capa

A AAPIM em parceria com a Zona Verde, SA está a promover ações de formação para agricultores em Modo Produção Integrado Geral (MPI Geral) e Modo de Produção Biológico Geral (MPB Geral) – Ações válidas para qualquer produção vegetal ou animal .

Esta formação surge na sequência da publicação da Portaria n.º 338-A/2016 de 28 de Dezembro de 2016 (n.º 2 do Artº 26º), em que “…excepcionalmente, para os compromissos iniciados em 2015, os beneficiários dispõem até ao dia 30 de abril de 2017, para concluir as acções de formação específica previstas nas citadas disposições legais.” Alerta-se que, de acordo com a Portaria n.º 153/2015, que estabelece os termos e os critérios aplicáveis à avaliação dos incumprimentos de compromissos e outras obrigações, está estabelecida uma redução de 50% da ajuda (no ano em que se verifica) caso os beneficiários, com compromisso iniciado em 2015, no âmbito da acção n.º 7.2 “Produção integrada” e da acção n.º 7.1 “Agricultura Biológica”, com enquadramento legal na Portaria n.º 25/2015, de 9 de Fevereiro, não concluam, no prazo de 24 meses, uma acção de formação em “Produção Integrada” e “Agricultura Biológica”, respectivamente, homologada pelo Ministério da Agricultura e do Mar.

Estas ações de formação têm a duração de 50 horas presenciais e dirigem-se a agricultores e afins que produzem, ou queiram vir a produzir, em modo de produção integrado ou em modo de produção biológico.

Regime: Pós Laboral       Formação homologada pela DRAP

Inscrições na AAPIM através do email : geral@aapim.com ou  telefone 271 223 964 .

 

 

INSCRIÇÕES

Captura de tela 2016-02-18 16.35.42

A AAPIM vai apresentar  candidatura à Formação Ação a PME´s, através da CAP, selecionando para o efeito até 10 PME´s por àrea temática no núcleo dos seus associados. As PME´s interessadas em participar no projeto deverão manifestar o seu interesse junto da AAPIM, até ao dia 14 de Janeiro. Mais informações contactar a AAPIM.

5641cc7940e6e

Ler mais

WP 002090

Centro de Inspeção Periódica Obrigatória de Equipamentos de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos ( Centro IPP).

Um serviço disponível para os agricultores da Região.

Pedido do serviço via email geral@aapim.com .

11045304 807467109333031 1510837714900504110 n

Sendo o cultivo da árvore de fruto uma atividade muito exigente em conhecimento, que necessita de tecnologia, criaram-se as condições para desenvolver o projeto “+ Pêssego”. De acordo com Maria Paula Simões, docente da Escola Superior Agrária de Castelo Branco (uma das nove entidades envolvidas no projeto – entre elas AAPIM, LAMAÇAIS – SOC. AGRÍCOLA, APPIZEZERE) este trabalho faz todo o sentido devido à inexistência de experimentações que fundamentem decisões técnicas e contribuam para a otimização de técnicas culturais e o consequente aumento da rentabilidade económica.

O objetivo principal do projeto é, portanto, organizar a produção e valorizar a fileira, introduzindo inovação no processo produtivo ao nível de diferentes técnicas: manutenção doa solos, monda de flores, mmonda de frutos fertilização, gestão de rega, caracterização das cultivares e estudo económico.

Trata-se de um projeto candidato e aprovado pelo ProDer, com um investimento de 600 mil euros. Vai decorrer ao longo de dois anos.

No fundo, diz Paula Simões, o que se pretende é que daqui a dois anos haja mais conhecimento sobre toda a fileira, incluindo mais interação com os agricultores, mais responsabilidade de realização das práticas culturais, com certeza, com conhecimento científico e transferência de tecnologia.

A área onde o trabalho vai incidir (serão usados diferentes pomares para ensaios) engloba a zona de pêssego da Beira Interior, desde a Guarda até Castelo Branco, onde há maior concentração de pomares.

Fonte Voz do Campo em 20-03-2014

logoAAPIM

Siga-nos no Facebook

Em 28 de Março a  AAPIM escolheu  a proposta apresentada pela empresa FZ AGROGESTÃO – Consultoria em Meio Rural, Lda para a execução do projeto Formação-Ação  Nº 087676/2012/31,que envolve doze PME´s associadas da AAPIM.

Para além da FZ AGROGESTÃO, Lda, apresentaram e foram ainda analisadas propostas das empresas  ISAGRILUSO – Informática Agrária Unipessoal, Lda e CESAE – Centro de Serviços e Apoio às Empresas.